Como nasce o texto I

 

       Como todos bem sabem, e se não sabem precisam saber, o texto não nasce do ovo, nem brota na terra, tampouco cai do céu. O texto é um produto, quase uma manufatura que se delineia pouco a pouco até ganhar forma, tamanho, cor e sabor. Uns custam mais do que outros para virem ao mundo, uns são mais ou menos aceitos, e todos despertam alguma reação em quem os lê, mesmo que seja uma reação de completa apatia. Riso, choro, choque, angústia e todas as outras emoções desfilam no rol dos efeitos produzidos por um texto, bem ou mal escrito. Se for bem escrito, tanto mais vivaz serão as emoções que ele provoca; se for mal escrito, só pode causar indignação, dúvida, susto ou coisas do gênero.

     Para um texto ser bom, antes ele precisa ser texto. Para ser texto, alguém precisa fazê-lo nascer. Este alguém é o autor, o dono do texto, é quem decide como será o texto. A matéria-prima do autor são as palavras, elas é que carregam o poder de traduzir idéias, sentimentos, informações e tudo o mais que o autor desejar ou necessitar. Obviamente nenhuma serventia têm as palavras se não houver conteúdo, qualquer que seja ele, importante ou não, sério ou tolo, urgente ou dispensável; a menos que se queira apenas jogar com as formas e os significados das palavras, mas essa é outra tarefa. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s