Organizing Your Writing Projects with Trello — Live to Write – Write to Live

I admit it: I’m a bit of a software geek. I can easily spend hours researching and playing with different kinds of project management, tracking, and collaboration software products. I love the way these digital tools help me wrest order from chaos and streamline my workflows and communication. At the moment, I’ve fallen quite hard […]

via Organizing Your Writing Projects with Trello — Live to Write – Write to Live

Anúncios

Próxima pegada

Texto-presente de André Santana para Palavras sobre Palavras

imagem texto andre santana

Ele estava vindo nesta direção.
Chapéu na mão,
andar lento e sem nenhuma pressa.
Cá entre nós,
a vida é assim.
Constante e sem pressa…
Ao olhar para trás,
ficam somente as pegadas.
Em breve elas sumirão.
Seja na próxima poeira,
próxima chuva,
brisa
ou mesmo próxima pegada.

(André Santana – http://assandre.wix.com/andresantana)

 

 

 

Why you need a writing process more than a writing ritual (and a 12-step writing process to slay your writing demons)

Pode ajudar!

Live to Write - Write to Live

“The Magic Circle” by John William Waterhouse Thank you to the kind reader who answered my question about this painting. It is “The Magic Circle” by John William Waterhouse.

Are you fascinated by other people’s writing habits and routines? I am. There’s a great series on Copyblogger called The Writer Files that profiles the writing lives of different business writers and authors. I hardly ever miss an installment.

I’m a sucker for the allure of the writerly way.

Though I love knowing who uses Scrivener vs. who uses a yellow legal pad and a blue felt-tip pen, I think as writers we have a penchant for getting overly caught up in the romance of the craft. We are, most of us, confessed addicts when it comes to new notebooks and writing utensils. We each of us crave a room of our own and aren’t shy about drooling (metaphorically or literally) over another writer’s creative space. We believe…

Ver o post original 1.832 mais palavras

Banco de personagens: Julieta não comeu morangos

2011-07-20_1311174130Depois da espera de quase um ano, Julieta desistiu. Não compraria morangos nesta estação. Os danados chegaram caros demais, Julieta tinha outras prioridades. Não que fossem exorbitantemente dispendiosos, não que faltasse vontade a ela, era mesmo por acreditar que seu desejo não valia aquilo que estavam cobrando. Poderia juntar o dinheiro de todas as caixas de morangos vermelhos e suculentos que certamente compraria durante o inverno. Preferiu deixar para o ano seguinte, quem sabe a fruta estaria mais em conta. Entrou no estúdio de tatuagens e saiu com um belo morango no antebraço. Finalmente um morango para apreciar em todas as estações do ano.

Danielle A. Giannini

21/07/16

 

Take what you need – the power of words — Live to Write – Write to Live

O poder das palavras. Ideia boa a se reproduzir por terras nossas.

Yesterday my husband and I spent the afternoon walking around Portsmouth NH. It’s a fantastic, artsy, hippie, freethinking kind of town that is always filled with surprises (and great craft beers.) The sun was shining, there was a gentle ocean breeze, it was a perfect afternoon. On a pole, we found this flyer: From it […]

via Take what you need – the power of words — Live to Write – Write to Live

9 LIVRARIAS INDEPENDENTES QUE VOCÊ PRECISA DESCOBRIR EM SP

Para se perder entre livros

Flávio Chaves

Entre os entusiastas de tecnologia e de todos os adventos modernos que dispomos hoje para fazer as coisas de maneira mais prática, rápida e deveras indolor, e aqueles que vestem a carapuça da nostalgia e se refestelam em uma tarde de domingo num cenário vintage, prefiro a coluna do meio.

Dito isso, hoje vou falar de uma coisa que me faz falta em São Paulo: a livraria independente de bairro. Para onde quer que se olhe, só se vêem as tais das megastores. Se não é megastore, é superstore, bigstore ou mesmo uma Americanas da vida… Há um ano, fui numa dessas raríssimas livrarias de bairro ainda existentes, cheguei para o dono e fiz a seguinte solicitação: “Queria um livro policial que fosse atual, mas real, sem efeitos especiais ou tramas incríveis, e que tivesse o lance da violência e tal, mas também algo além, uma história, sabe?” Sem titubear…

Ver o post original 456 mais palavras