Ela partiu

Ela é bela, ela é bela
Ela é o que ninguém mais é
É única, encantadora
A melhor
A mais importante
Incomparável.
Ela é bela, ela é bela
Ela é o todo, tudo compreende
É pilar, é base, é o topo do mundo
Insuperável.
Ela é bela, ela é bela
Vestida de cabelos alourados
Túnica azul feita de tecido-luz
Ela brilha, irradia
Ela apazigua 
Serena,
Compreende
Acalma
Ela é bela, ela é bela
Ela é esperança
Ela é reencontro
Ela é dia e noite
Sol e chuva
Brisa e lágrima
Toda sorriso
Ela é alma imortal
É o porvir
E eu aguardo.

Danielle Arantes Giannini
28/12/2020

mais um poeminha para quem ainda dói

ainda a dor

 

como a dor dilacera

a ferida não fecha

rompem-se os nervos

a mente voa para um tempo indesejado

passa o dia pesaroso

cai a noite solitária

cada pedaço de mim arde em vazios

ausências minhas

nada preenche que afague

só falsos suspiros

esses eu não quero

o meu desejo é o meu encontro

Onde?

 

Danielle Arantes Giannini

Poeminha para quem dói

Dor

 

Teve dores na alma

Para as quais não encontrava comprimidos

Deixou o corpo deitado

As dores não cessavam

Quanto mais esperava

Mais doía-lhe o ser

Por quanto tempo ficou ali não sabe

Era confortável a companhia da dor.

 

Danielle Arantes Giannini
(15/01/17)

Quando se perde um amor

Perdi o amor
Ganhei a poesia
Recuperei os versos que havia preterido
Em troca de um amor tranquilo
Passou o vento e tudo levou
A poesia, fiel companheira
Sem mágoas, sem máculas,
Sem me desprezar, sem me zombar,
Foi se achegando e instalou-se enfim
No lugar que dela sempre foi
Não fez cobrança
Não fez promessa
Pediu papel e caneta
Era hora de voltar ao trabalho.

(Danielle Arantes Giannini)

Sobre ilusões, leia novo post no Blog Dores & Ganhos
http://doreseganhos.wordpress.com

 

Para onde?

para-onde_imagem

 

Cansou de falar

Falou tanto, que as palavras estavam exaustas

Cansou de chorar

Exauriram-se as lágrimas

Cansou de pensar

A mente em colapso turvou-lhe a vista

Decidiu caminhar na mata

Ouvir a algazarra dos pássaros

Eles, sim, tinham o que dizer

Mas sua mente não entendia

Escutou as próprias pegadas

Não sabiam para onde estavam indo

Deixou-se levar

Avistou um tronco de árvore partido

Sentou-se

Demorou o quanto pôde, até ser expulso pela vigilância

Não podia permanece ali

Tinha que seguir.

Para onde?

 

Danielle Arantes Giannini
10/11/2016

 

Um copo de café com leite

cafe-com-leite_imagem

Estava travada na vida e queria ir além.

Como podia? Sem forças, sem máscaras, sem ninguém.

Nem pretexto tinha.

Parou, respirou,

olhou o rapaz que transportava botijões de gás na garupa da moto

pensou que sua vida não era tão arriscada

e decidiu tomar um copo de café com leite.

 

Danielle Arantes Giannini

A quem possa interessar, reflexão breve “Sobre grama, aceitação e clorofila”, no blog Dores & Ganhos.

Poesias que custam

Apesar de toda mágoa

A poesia estava engasgada

Tinha tristeza de sobra

No entanto a poesia não saía

O papel talvez estivesse branco demais

Intimidou a poesia

Era preciso apressar

Antes que voltasse a alegria.

 

Danielle Arantes Giannini

Grito das palavras

Ahhhhhh

Que dor no âmago…

Lancinante

São as palavras

Malditas miseráveis

Não querem se calar

Explodem

Lançam-se ao léu 

Poderia perdê-las todas

Como viver sem elas?

Cada uma delas

Necessito de todas

Mesmo que seja para desprezá-las por impropriedade

Traidoras

Foram-se

Foram cumprir seu destino de palavra

E eu permaneci calada.
Danielle Arantes Giannini 

08/08/2016

Próxima pegada

Texto-presente de André Santana para Palavras sobre Palavras

imagem texto andre santana

Ele estava vindo nesta direção.
Chapéu na mão,
andar lento e sem nenhuma pressa.
Cá entre nós,
a vida é assim.
Constante e sem pressa…
Ao olhar para trás,
ficam somente as pegadas.
Em breve elas sumirão.
Seja na próxima poeira,
próxima chuva,
brisa
ou mesmo próxima pegada.

(André Santana – http://assandre.wix.com/andresantana)

 

 

 

Poeminhas para aliviar a tensão: Desconsolo

Desconsolo

estrela para poema desalento

O céu fechou num azul escuro
Tal qual preto
De tão denso
Não se viam estrelas
No entanto elas estavam lá
Teimosas
Ardentes
Insinuando-se para a lua
E o céu não teve escolha
Abriu-se em êxtase
Pela noite que ia longe
Ouvindo o silêncio do universo todo
A escuridão desfez-se das trevas
Enfim a aurora irrompeu o firmamento
Estava morto o desconsolo

 

Danielle Arantes Giannini