Banco de personagens: A moça do cabelo branco

A moça não queria ser nada além de um amontoado de lembranças sem cor, só para poder viver sem doer, com a alma pura e calma. Mas aconteceu de ser ela um depósito empoeirado de memórias ainda cheirando a decepção. Por isso perambulava em lentidão pelo corredor do apartamento em desordem. Onde arrumar empenho para organizar cabides, caixas e gavetas? Tudo era peso e vagar na existência da moça. Precisava pintar os cabelos que já lhe caíam brancos pelo canto do olho.

 

Danielle Arantes Giannini

mais um poeminha para quem ainda dói

ainda a dor

 

como a dor dilacera

a ferida não fecha

rompem-se os nervos

a mente voa para um tempo indesejado

passa o dia pesaroso

cai a noite solitária

cada pedaço de mim arde em vazios

ausências minhas

nada preenche que afague

só falsos suspiros

esses eu não quero

o meu desejo é o meu encontro

Onde?

 

Danielle Arantes Giannini

Para quem está em São Paulo

Notícia publicada no site PublishNews:
Shopping de SP ganha espaço temporário para amantes do livro
PUBLISHNEWS, REDAÇÃO, 18/01/2017
O espaço ‘Book Lovers’ fica no Shopping Cidade Jardim até 19/02

Para celebrar as férias, o Shopping Cidade São Paulo (Av. Paulista, 1230, Bela Vista – São Paulo / SP) combinou opções de cultura e lazer em um único ambiente para promover o espaço literário Book Lovers. Localizado na Praça de Eventos, no piso Térreo do shopping, o espaço reúne mais de três mil títulos de diversos gêneros, dentre eles, lançamentos e livros clássicos da literatura brasileira. Com o objetivo de estimular o prazer pela leitura, os organizadores disponibilizam, ainda, livros a partir de R$ 5, e, nos fins de semana, o espaço recebe o público com inúmeras contações de histórias e atividades lúdicas. O evento segue até o dia 19 de fevereiro e a entrada é gratuita.

 

Poeminha para quem dói

Dor

 

Teve dores na alma

Para as quais não encontrava comprimidos

Deixou o corpo deitado

As dores não cessavam

Quanto mais esperava

Mais doía-lhe o ser

Por quanto tempo ficou ali não sabe

Era confortável a companhia da dor.

 

Danielle Arantes Giannini
(15/01/17)

Quando se perde um amor

Perdi o amor
Ganhei a poesia
Recuperei os versos que havia preterido
Em troca de um amor tranquilo
Passou o vento e tudo levou
A poesia, fiel companheira
Sem mágoas, sem máculas,
Sem me desprezar, sem me zombar,
Foi se achegando e instalou-se enfim
No lugar que dela sempre foi
Não fez cobrança
Não fez promessa
Pediu papel e caneta
Era hora de voltar ao trabalho.

(Danielle Arantes Giannini)

Sobre ilusões, leia novo post no Blog Dores & Ganhos
http://doreseganhos.wordpress.com

 

um livro

“Um livro importante revela-nos uma verdade ignorada, escondida, profunda, sem forma que trazemos em nós, e causa-nos um duplo encantamento, o da descoberta de nossa própria verdade na descoberta de uma verdade exterior a nós, e o da descoberta de nós mesmos em personagens diferentes de nós.” (Edgar Morin)