Para quem está em São Paulo

Notícia publicada no site PublishNews:
Shopping de SP ganha espaço temporário para amantes do livro
PUBLISHNEWS, REDAÇÃO, 18/01/2017
O espaço ‘Book Lovers’ fica no Shopping Cidade Jardim até 19/02

Para celebrar as férias, o Shopping Cidade São Paulo (Av. Paulista, 1230, Bela Vista – São Paulo / SP) combinou opções de cultura e lazer em um único ambiente para promover o espaço literário Book Lovers. Localizado na Praça de Eventos, no piso Térreo do shopping, o espaço reúne mais de três mil títulos de diversos gêneros, dentre eles, lançamentos e livros clássicos da literatura brasileira. Com o objetivo de estimular o prazer pela leitura, os organizadores disponibilizam, ainda, livros a partir de R$ 5, e, nos fins de semana, o espaço recebe o público com inúmeras contações de histórias e atividades lúdicas. O evento segue até o dia 19 de fevereiro e a entrada é gratuita.

 

Anúncios

Oficina da Palavra

 

Começa no dia 17 de março o Ateliê Permanente de Criação Literária, promovida pelo escritor Luiz Brás, na Oficina da Palavra Casa Mário de Andrade. Os interessados podem frequenter os encontros que desejar, bastando para isso realizar as inscrições com antecedência. No primeiro módulo do Ateliê, que acontece entre os dias 17 de março e 27 de maio, o foco serão os gêneros conto e crônica, com atividades práticas de redação e leitura crítica, intercaladas com a apresentação e a análise de clássicos da literatura.

Serviço: 

Ateliê Permanente de Criação Literária Casa Mário de Andrade
Rua Lopes Chaves, 546 – Barra Funda, tel. (11)3666-5803


Editora Patuá e o herói da resistência

Editar livro no Brasil é para poucos, poucos felizardos que já são conhecidos ou têm conhecidos, autores estrangeiros, artistas, políticos e mais meia dúzia de gatos pingados. O autor novo, aquele que deseja muito ter sua obra publicada e não cumpre nenhum dos requisitos citados há pouco, não tem vez. Tem autor tentando ser publicado neste país aos borbotões, muitos enviam os originais para análise das editoras e, ninguém se iluda, quase nunca são lidos. No Brasil, a aposta das editoras deve ser certeira porque o retorno financeiro precisa ser imediato, e nesse quesito, a coisa da cultura interessa menos ou pouco. Fosse assim sempre, tudo estaria perdido. Alguma iniciativa aqui, outra acolá sempre surgem. Uma delas completa agora três anos de luta contra  a resistência  do mercado editorial, a Editora Patuá. Criada por Eduardo Lacerda, em funcionamento dentro de casa mesmo, a editora se presta a ler originais de quem não tem vez nas grandes e edita livros de autores novos, desconhecidos e bons; hoje já são mais de 155 títulos publicados, entre eles poesia, conto, crônica e romance. A festa de aniversário acontece no dia 22 de fevereiro no Hussardos Clube Literário.

Serviço: Rua Araújo, 154, 2o andar, República. Das 15 às 24 hs.

Concurso literário e analfabetismo

Um incentivo a mais para quem acaba de se inserir no mundo das palavras, o concurso Literatura para Todos. Destinado aos que o Ministério da Educação classifica como “neoleitores”, o concurso tem a incumbência de democratizar o acesso à leitura, constituir um acervo bibliográfico literário específico para jovens, adultos e idosos recém alfabetizados e criar uma comunidade de leitores. Podem participar jovens, adultos e idosos em processo de alfabetização pelo Programa Brasil Alfabetizado e matriculados nas turmas de educação de jovens e adultos das redes públicas de ensino, além de estudantes dos países lusófonos da África. As categorias são: prosa (conto, novela ou crônica), poesia, texto de tradição oral (em prosa ou em verso) e perfil biográfico e dramaturgia. Os vencedores receberão prêmios no valor de R$ 10 mil. No ano passado, foram inscritos 729 trabalhos. Então mãos à obra e que este número cresça, para mostrar que a realidade do Brasil pode ser muito diferente, com mais leitores e autores e, consequentemente, cabeças pensantes. Que sirva de incentivo aos que ainda não se aventuraram a descobrir o poder da escrita, e estes são muitos por aqui, mais de 14 milhões, e pior, o Brasil é um dos campeões em analfabetismo na América Latica, uma posição vergonhosa, que coloca à prova os eventuais esforços dos governos municpais, estaduais e federal. Que este concurso sirva para alavancar outras medidas realmente eficazes no combate ao analbatebismo que só faz perpetuar as diferenças sociais no país.

Flip homenageia Manuel Bandeira

fliplogofliplogo1

A sétima edição da Festa Literária Internacional de Paraty, que este ano homenagea Manuel Bandeira, começa no dia 1º de julho e vai até 5 de julho. “A homenagem pretende contribuir para a revalorização da obra poética e para tornar mais conhecidas as diversas faces de Manuel Bandeira”, nas palavras de Flávio Moura, Diretor de Programação da FLIP. Um dos eventos já confirmados é uma mesa com Milton Hatoum, um dos nomes mais destacados da literatura brasileira contemporânea, e Chico Buarque, que parce ter trocado de vez a carreira de compositor e cantor pela de escritor, mais reservada. Informações sempre quentinhas sobre o evento são publicadas regularmente no blog da FLIP: http://www.flip.org.br/blog/

I Sarau das Poéticas Indígenas

 

 

“Todo dia era dia de índio”, mas agora eles têm sarau na Casa das Rosas, em São Paulo. Vai acontecer no dia 19 de abril um encontro com índios, escritores indígenas e de outras origens cuja obra tenha inspiração indígena de alguma região do Brasil. O sarau tem o objetivo de projetar o movimento intercultural  e literário da literatura indígena através da exposição da poética nos cânticos, na história oral e nos rituais. O evento começa às 3 da tarde e termina às 9 da noite.

 Casa das Rosas: http://poiesis.org.br/casadasrosas

Campinas terá seu primeiro festival literário em abril

A Flip surgiu modesta lá em Paraty, cresceu, ficou famosa, atraiu gente do mundo todo, continua com tudo e está dando o exemplo. Bom exemplo, por sinal, que é seguido pela cidade de Campinas, que ganha este mês seu primeiro festival literário, o Filc – 1º Festival Internacional de Leitura. Nos dias 18 a 26 de Abril, escritores, editores, pesquisadores, outros artistas e público se reúnem na Estação Guanabara com o objetivo de discutir a leitura, os livros, a criação literária e com isso abrir um novo ambiente para a difusão da literatura no país. Nesta primeira edição, o escritor homenageado será Monteiro Lobato. O evento é fruto de uma parceria entre prefeitura e Unicamp. Entrada franca. Durante a Filc, poderão ser doados livros infanto-juvenis para o acervo da Biblioteca Municipal Monteiro Lobato. Para saber outras informações, acesse o site oficial do Festival: HTTP://www.filc.com.br